Uma Falsa Polarização | Luis Antonio 13
Amigos do Facebook
Rádio Transmissão
Vereador - Luis Antônio

Há intelectuais que querem nos fazer crer que estamos vivendo no Brasil uma polarização de posições políticas entre esquerda e direita, entre neoliberais e bolivarianos, entre uma classe média “coxinha” e os trabalhadores, e por aí vai. De quebra assistimos à condenação do governo federal e do PT como corruptos. Isso é o que vemos na superfície e que gera uma insatisfação geral.

O que não está visível são os principais atores que impulsionam essa polarização e seus objetivos. Um primeiro passo para entendermos essa situação é olhar para o lucro das grandes empresas e bancos. As empresas que têm ações na Bovespa, que são as maiores, tiveram aumento de seu lucro da ordem de 46% em 2014, se comparado ao lucro de 2013. E os bancos, algo entre 26% (Itaú) e 30% (Safra). Isso numa economia em que o crescimento do PIB de 2014 ficou próximo de zero. Como se opera esse milagre? Essa rentabilidade depende muito da taxa Selic, que remunera a dívida pública, e das taxas cobradas pela intermediação financeira sobre empréstimos e financiamentos pelos bancos.

O governo federal, adotando políticas contracíclicas para garantir o dinamismo da economia brasileira diante da crise internacional, em 2009 reduziu a taxa Selic; em 2010 sofreu pressões para aumentá-la novamente; em 2011 retomou a política de baixar os juros. Como consequência, 2014 apresentou o menor superávit primário desde 1999, ou seja, a menor remuneração para os rentistas. O setor rentista também se sentiu ameaçado com a ação dos bancos públicos – Caixa e BNDES, especialmente –, que aumentaram o crédito, baixaram os juros e ganharam mercado. Os bancos públicos, de 35% do mercado que detinham em 2009, chegam a 55% em 2015. O congelamento dos preços da gasolina e da eletricidade tem o mesmo sentido, de preservar a capacidade de compra das pessoas e manter o dinamismo do mercado interno, e também contrariou interesses das empresas concessionárias.

Como consequência dessas políticas, o grande empresariado e o setor financeiro se uniram contra a redução da rentabilidade do rentismo, contra as políticas anticíclicas, contra o governo Dilma. Isso se expressou nas eleições de 2014 e nas tentativas de desestabilização política que continuam até hoje.

A estratégia defendida pelos governos do PT, de promover um impacto “keynesiano” de estímulo da economia pelo lado da demanda, de preservação do emprego, pode ser observada na distribuição entre renda do trabalho (salários, pensões, aposentadorias) e renda do capital (lucros, juros, aluguéis e renda da terra) nas contas nacionais. A participação da renda do trabalho no PIB era de 35% em 2003; em 2013, foi de 47%. O rentismo disputa a retomada de parcela maior da renda nacional, travando, com isso, o impacto esperado das políticas contracíclicas e o desenvolvimento do país.

Pesquisas recentes mostram uma classe média tradicional assustada com o cenário econômico, com medo do desemprego, com medo de uma perda maior de poder aquisitivo, coisa que já estão sentindo. Há muito tempo não se via esse medo voltar. É essa insatisfação que é trabalhada pela grande imprensa escrita e televisiva, e mesmo internacional, para direcioná-la contra o governo e até para criar a pressão “fora Dilma”. Não importa que a crise seja internacional e que seja de fato necessário equilibrar as contas do país. Importa que o ajuste não toque nos mais ricos e a corrupção passe a ser a explicação da situação atual.

Essa estratégia de focar a corrupção para promover o desgaste do governo está trazendo resultados inesperados, pois atinge o sistema político como um todo. As ações do Ministério Público implicam também os presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados, Aécio Neves, todos os partidos e outras personalidades denuncistas da oposição.

É com base nas denúncias contra a corrupção que a oposição quer mobilizar a população contra o governo, e tem conseguido bons resultados. Mas a classe média que foi para as ruas é um setor muito desinformado. Até uma simples pergunta de quem assumiria a Presidência num eventual impedimento de Dilma fica sem resposta para a maioria dos manifestantes. Apenas 27% defendem “fora Dilma”. Eles estão na rua para defender o que entendem por seus direitos num cenário econômico recessivo, o que guarda semelhança com as demandas apresentadas pelas centrais sindicais em outra recente manifestação de peso.

Também é importante lembrar que 37 milhões de brasileiros votaram branco ou nulo nas últimas eleições, ou seja, não se posicionaram em relação às opções eleitorais disponíveis. Isso não significa que não tenham opiniões, mas que não se sentem representados ou não valorizam mais este sistema político. Temos de lembrar também o rechaço aos partidos políticos, seja nas manifestações de junho de 2013, seja nas de 15 de março deste ano. Quando políticos quiseram se manifestar, ouviram da população nas ruas um veto: gritava-se “sem partido, sem partido”. É o próprio sistema político que está em xeque, e não este ou aquele partido. É uma oportunidade interessante enfrentar essa falsa polarização, promovendo um trabalho de esclarecimento público sobre os verdadeiros agentes e interesses que apostam na desestabilização do governo. Se ao lado desses esclarecimentos surgir um forte movimento de defesa dos direitos sociais, também buscando mobilizar a classe média, então o jogo pode mudar e a reforma política por uma Constituinte independente pode se tornar uma bandeira de muitos, de uma ampla aliança da cidadania com capacidade para mudar a correlação de forças. Diretas Já! foi assim.

Silvio Caccia Bava

Diretor e editor-chefe do Le Monde Diplomatique Brasil

Blog da Dilma no Facebook: https://www.facebook.com/BlogDilmaRousseff

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Democracia, Igreja, sociedade: exposição ressalta presença de Dom Paulo 19 de julho de 2018
    Categoria:  Direitos humanos Cardeal emérito de São Paulo, que morreu em 2016, aos 95 anos, ficou marcado por defesa dos direitos humanos da Rede Brasil Atual Democracia, Igreja, sociedade: exposição ressalta presença de Dom Paulo Mostra começa neste sábado, no Centro Cultural dos Correios, no Anhangabaú, e vai até 23 de setembro. Quem for verá […]
  • Luiz Estevão e Geddel vão para área de segurança máxima da Papuda 19 de julho de 2018
    Categoria:  Justiça da Agência Brasil Luiz Estevão e Geddel vão para área de segurança máxima da Papuda A medida foi tomada após operação que encontrou privilégios aos presos A Vara de Execuções Penais (VEP) do Distrito Federal decidiu hoje (19) determinar a transferência do ex-senador Luiz Estevão e do ex-ministro Geddel Vieira Lima para o bloco de […]
  • Pegaram o “Doutor Bumbum” no Rio 19 de julho de 2018
    No meio do tiroteio eleitoral, nas vésperas das convenções partidárias, a polícia anuncia que prendeu na tarde de hoje (19) o médico Denis César Barros Furtado, de 45 anos, o “Doutor Bumbum”, segundo a velha mídia. “Doutor Bumbum” foi preso … Continue lendo →
  • Centrão pode abandonar Ciro por Alckmin, diz velha mídia 19 de julho de 2018
    A velha mídia que torce por Geraldo Alckmin (PSDB) sinaliza que o Centrão — DEM, PRB, SD, PSC e PP — deve desistir de Ciro Gomes (PDT). De acordo com o G1, por exemplo, o tucano tem conversa os líderes … Continue lendo →
  • Moro e Gebran terão de explicar ao CNJ por que não soltaram Lula 19 de julho de 2018
    O juiz Sérgio Moro e o desembargador João Pedro Gebran Neto, do TRF4, terão de explicar ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) por que não cumpriram a decisão do desembargador Rogério Favretto, no dia 8 de julho, de soltar o … Continue lendo →
  • Em artigo, Márcia Tiburi associa lava jato ao fascismo de Hitler 19 de julho de 2018
    A pré-candidata do PT ao governo do Rio, Márcia Tiburi, em artigo na revista Cult, aponta as semelhanças entre a lava jato e o nazismo de Adolf Hitler, na Alemanha. “Ao longo da história, não há movimento autoritário que não … Continue lendo →
  • Economist critica “caos nos tribunais” do Brasil e diz que pena de Lula é “dura demais”. Por Kiko Nogueira 19 de julho de 2018
      A Economist, em sua nova edição, dedicou uma matéria às “decisões contraditórias” dos juízes no caso do solta e prende de Lula naquele domingo fatídico. Foi além disso. “A guerra judicial colocou Lula de volta ao centro da campanha”, diz o texto. “No Google, a procura pelo seu nome cresceu 50 vezes no dia […]
  • Condenada por calúnia, procuradora da Lava Jato em SP critica Ciro por xingar promotora 19 de julho de 2018
      A vida é dura. Integrante da “força-tarefa” da Lava Jato em São Paulo, a procuradora Janice Ascari detonou Ciro Gomes no Twitter. Para Janice, as declarações de Ciro sobre a promotora Mariana Bernardes Andrade, que abriu inquérito contra ele, são “desprezíveis e mostram o seu pior lado”. Janice sabe do que está falando. Em […]
  • Fracasso das UPPs no Rio de Janeiro vira filme 19 de julho de 2018
    Da AFP Em um beco da única favela sem tiroteios do Rio de Janeiro, um policial e um traficante conversam e riem juntos. Mas quando o diretor grita “Ação!”, tudo muda. E a cena começa a ser mais verossímil. Estamos nas filmagens do longa que pretende retratar um dos principais dramas da cidade: o fracasso […]