O festival de asneiras em torno dos 88 bilhões de reais da Petrobras | Luis Antonio 13
Amigos do Facebook
Rádio Transmissão
Vereador - Luis Antônio

Uma empresa muito falada e pouco entendida

Raras vezes tantas tolices foram publicadas e compartilhadas em cima de um número malcompreendido.

Entre no Twitter e digite Petrobras 88 bilhões, e você encontrará uma enxurrada daquilo que de mais imbecil a mente humana pode conceber.

A cifra de 88 bilhões de reais representaria aquilo que foi desviado por corrupção na Petrobras.

Para quem tem o mínimo de familiaridade com números, é um caso parecido com o do homem de oito metros.

Mas poucos tem, e a Folha, origem dos disparates, não está entre estes raros.

Foi a Folha que deu a “informação”. Ela estaria no balanço divulgado pela Petrobras.

Depois, a Folha corrigiu o erro, mas era tarde demais: a asneira já fora transmitida e incorporada por dezenas, centenas, milhares de analfabetos políticos que incluem suspeitos de sempre como Lobão e Danilo Gentilli.

Os 88 bilhões são um cálculo aproximado de ativos supervalorizados.

Imagine que, em vez da Petrobras, se tratasse da Abril. Suponha que a Veja, o principal ativo da casa, tivesse sido avaliada num balanço em 1 bilhão de reais.

Depois, se verificaria que o valor estava inflado em 50%, digamos. No ano seguinte, o balanço corrigiria o excesso, e a Veja surgiria com o valor de 500 milhões de reais.

É mais ou menos isso.

Dentro dos 88 bilhões, existe uma parcela associada aos desvios. Mas ninguém sabe quanto é.

Na reunião de diretoria que aprovou o balanço, chegou-se a cogitar – ou chutar — uma soma de 4 bilhões em desvios, com base nos 3% de taxa de propina de que falou o ex-diretor Paulo Roberto Costa.

Os 88 bilhões não fizeram a festa apenas de internautas sem noção de grandeza de números.

Numa rápida pesquisa no Twitter, encontrei o link de uma entrevista da CBN com um economista para falar dos “88 bilhões em desvios”.

Mesmo confessando não ter condição de analisar o balanço, ele concedeu uma entrevista de mais de seis minutos.

Pobres ouvintes da CBN. Uma rádio competente jogaria luzes onde há sombras. Mas a CBN cobre áreas cinzentas com ainda mais sombras.

Mas não se pode desprezar a contribuição da Petrobras para a confusão.

Tente entender o que a empresa quis dizer na sentença abaixo, que consta do balanço e é assinada por Graça Foster. Um determinado método foi descartado, e a explicação foi a seguinte:

“O amadurecimento adquirido no desenvolvimento do trabalho tornou evidente que essa metodologia não se apresentou como uma substituta ‘proxy’ adequada para mensuração dos potenciais pagamentos indevidos, pois o ajuste seria composto de diversas parcelas de naturezas diferentes, impossível de serem quantificadas individualmente, quais sejam, mudanças nas variáveis econômicas e financeiras (taxa de câmbio, taxa de desconto, indicadores de risco e custo de capital), mudanças nas projeções de preços e margens dos insumos, mudanças nas projeções de preços, margens e demanda dos produtos comercializados, mudanças nos preços de equipamentos, insumos, salários e outros custos correlatos, bem como deficiências no planejamento do projeto (engenharia e suprimento).”

Proust podia escrever parágrafos intermináveis, pelo talento excepcional em juntar palavras, mas nenhum redator de balanços pode fazer o mesmo.

Frases curtas, simples, fáceis de entender: eis o que um balanço deve conter, para ser compreendido para além dos números.

E então você tem o cruzamento de um jornal que admite o homem de oito metros com um balanço escrito numa linguagem não identificada – parecida, apenas, com o português.

Estava tudo pronto para um festival de asneiras nas redes sociais. Falsos gênios chegaram a fazer contas: com 88 bilhões de reais você compra x Fuscas e coisas do gênero.

Claro que o PSDB não poderia faltar.

Em sua conta no Twitter, o PSDB postou um quadro que dizia que “o prejuízo da Petrobras com corrupção pode chegar a 88 bilhões de reais.”

Neste caso, não é apenas erro. É má fé. É manipulação. É cinismo.

E uma tremenda duma mentira. O presidente do PSDB, Aécio, acaba de gravar um vídeo em que diz que Dilma mente.

Antes de ser julgada, a Petrobras tem que ser compreendida.

O barulho em torno dos 88 bilhões de reais mostra que a Petrobras, embora tão falada, é uma ilustre desconhecida para muitos brasileiros. Por isso, é fácil usá-la com propósitos canalhas por quem quer tudo — menos, efetivamente, contribuir para o bem dela.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Estados Unidos planeja direcionar US$40 milhões para apoiar oposição da Venezuela 17 de julho de 2019
    O governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, planeja redirecionar mais de 40 milhões de dólares de ajuda humanitária à América Central para apoiar a oposição da Venezuela, segundo um documento interno obtido pela Reuters na terça-feira. Os 41,9 milhões estavam destinados a Guatemala e
  • Dodge “passa pano” para Dallagnol e sustenta a lava jato 17 de julho de 2019
    A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, reuniu-se ontem com os procuradores da lava jato, entre eles Deltan Dallagnol, e escolheu defender os procuradores mesmo com todas as evidências de má conduta reveladas pela imprensa. Após à reunião, Raquel levantou questionamentos sobre
  • PT aciona Receita Federal para investigar lucros de Dallagnol e Pozzobon com Lava Jato 17 de julho de 2019
    A presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), e os líderes do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), e no Senado, Humberto Costa (PE), protocolaram nesta terça-feira (16), na Receita Federal, representação contra os procuradores Deltan Dallagnol e Roberson Pozzobon, ambos da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba. Os parlamentares solicitam ao secretário da […]
  • Mensagens entre Dallagnol e Moro envolvem Barroso do STF 17 de julho de 2019
    Novo diálogo vazado pelo jornalista Reinaldo Azevedo (OUL e Band News) na parceria com o Intercept mostra detalhes das articulações do procurador Deltan Dallagnol e do ex-juiz Sérgio Moro com o ministro do Supremo Tribunal Federal, Roberto Barroso. LEIA TAMBÉM Chame o Afreeedo: Deltan Dallagnol