Estamos em 2045 e os livros de História do Brasil dizem que o PT com Lula e Dilma | Luis Antonio 13
Amigos do Facebook
Rádio Transmissão
Vereador - Luis Antônio

Estamos em 2045 e os livros de História do Brasil dizem que o PT com Lula e Dilma aumentaram os salários do trabalhador, melhorou a educação e a saúde, aumentou a capacidade de produção de petróleo e o Pré-Sal está sendo uma benção para a nação.

 

No mesmo livro dirá que a ‘oposição sem rumo’ quis vender a Petrobras, dar um Golpe de Estado em 2015 e que não colocou um prego numa barra de sabão.

 

A História sempre nos conta a verdade como diz a doutora em História pela UFF Vania Maria Cury do Blog FALTA HISTÓRIA.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Globo usa programa Fantástico para defender Moro 17 de junho de 2019
    O programa Fantástico, da Globo, insistiu na noite deste domingo (16) na tese de invasão de hackers para defender o ministro da Justiça, Sérgio Moro, e integrantes da força-tarefa Lava Jato, denunciados por reportagens do site The Intercept Brasil. Ao longo da semana passada, o Intercept
  • Paulo Guedes é o próximo a cair do governo Bolsonaro 17 de junho de 2019
    O governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) é uma verdadeira balbúrdia, para usar a expressão do ministro da Educação. Só nas últimas horas ocorreram três importantes demissões. 1- General Santos Cruz (Secretaria de Governo);
  • “Moro e Dallagnol perdem apoio do setor mais civilizado da sociedade”, diz Requião 16 de junho de 2019
    O ex-senador e ex-governador do Paraná, Roberto Requião (MDB), publicou uma mensagem constatando que o ex-juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol estão perdendo apoio do “setor mais civilizado de nossa sociedade”. LEIA TAMBÉM: Após a decepção, site ensina
  • Funcionários do BNDES farão ato contra Bolsonaro 16 de junho de 2019
    Funcionários do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social farão um ato no Rio de Janeiro, na próxima quarta (19), contra a política do governo Bolsonaro para a instituição. Segundo matéria da Folha de São Paulo,