Eleições, tio Arthur e a geladeira | Luis Antonio 13



Prev
Next
Amigos do Facebook
Rádio Transmissão
Vereador - Luis Antônio

Nós, brasileiros, sofremos de uma curiosa disfunção cognitiva, que incide sobre a população com a mesma frequência que a intolerância à lactose, entre os japoneses, ou a inclinação para os trocadilhos, entre os ingleses. Falo da nossa capacidade de nos indignar com a corrupção alheia ao mesmo tempo em que ignoramos completamente os próprios desvios. Conforme o segundo turno das eleições presidenciais se aproxima, dia 26, o mal se alastra como uma epidemia.

Nos bares, nas ruas e nas redes sociais, defensores de Dilma Rousseff, do PT, candidata à reeleição, e do senador oposicionista Aécio Neves, do PSDB, não se cansam de apontar o dedo uns pros outros e relembrar as roubalheiras em que o partido rival se envolveu. Os petistas costumam citar o escândalo da reeleição, em que o PSDB é acusado de subornar congressistas para aprovarem uma emenda constitucional, permitindo que Fernando Henrique Cardoso concorresse novamente à Presidência, em 1998. Os psdbistas citam o caso do mensalão, em que políticos da base do PT, na Câmara, recebiam mensalmente dinheiro desviado do caixa 2 da campanha de Luiz Inácio Lula da Silva, em 2002. Infelizmente, quando se trata de reconhecer as próprias lambanças, o silêncio é sepulcral. Nem aqueles poucos que conseguem se manter isentos no meio do tiroteio partidário escapam à disfunção cognitiva. É comum ouvirmos que o problema não seria o PT nem PSDB, mas os políticos, como um todo; como se os políticos fossem uma espécie à parte, ETs infiltrados com o intuito de corromper nossa idônea população. Nesse quesito, porém, a população não precisa de ajuda.

Lembro bem de quando fui apresentado à corrupção. Era domingo, eu tinha uns sete, oito anos de idade e almoçava na casa de um tio. Vamos chamá-lo de Arthur. Arthur era o meu parente mais rico e morava numa casa com piscina. Lá pelo meio do almoço ele contou à família, orgulhoso, como havia encontrado um jeito de desligar o registro de água em frente à casa, de modo a encher a piscina sem gastar um tostão. Não me lembro de o terem repreendido. Hoje, meu tio está aposentado, mora num apartamento e, vira e mexe, me repassa uns e-mails revoltados contra a corrupção do PT, no governo.

Eu gostaria de acreditar que tais condutas são coisa de gente mais velha, que os avanços do país nas últimas décadas tornaram mais ética a nossa postura, mas isso não parece ter acontecido. Uma amiga minha, advogada de trinta e poucos anos, criou no computador um documento falso de cabeleireira para ter desconto numa loja de xampus. Ela é sócia de um escritório de direito tributário e com o que ganha em um ano poderia, provavelmente, comprar xampus para as futuras três gerações de sua família. Um psicanalista com quem me consultei, anos atrás, cobrava mais barato caso eu pagasse as sessões em dinheiro vivo, permitindo-lhe burlar a Receita Federal. Quando você pede um recibo para um taxista, no Rio de Janeiro, costuma ouvir como resposta: “Que valor quer que eu ponha?”. O raciocínio do motorista é que, como uma empresa te reembolsará aquele valor, você pode supervalorizar a corrida e roubar uns R$ 10 ou R$ 20 do seu empregador. Em troca do “favor”, claro, ele espera uma pequena porcentagem do desvio. As possibilidades de corrupção estão até nas situações mais prosaicas. Uma ida ao cinema, por exemplo. Todo cidadão brasileiro acredita que é seu direito inalienável furar a fila, caso encontre um amigo melhor posicionado. Você chega ao cinema, garante o lugar no fim da fila e diz ao seu par: “Peraí que eu vou ver se eu conheço alguém mais lá na frente”. No Facebook e no Twitter, contudo, a culpa por todos os nossos males é do PT, do PSDB ou dos políticos, em geral.

Claro que houve avanços, nos 20 anos em que PSDB e PT estiveram no poder.

Fernando Henrique Cardoso (1995-2003), do PSDB, acabou com a hiperinflação, valorizou a moeda, tirou a economia da UTI. Lula (2003-2011) e Dilma (2011 até hoje) aprofundaram, reformaram e criaram programas sociais que alçaram 50 milhões de pessoas da pobreza à classe média. Esses avanços, porém, se deram sem sanar os velhos problemas: alianças espúrias para se obter maioria no Legislativo, troca de favores, fisiologismo, corrupção.

São traços de um país que surgiu, 514 anos atrás, como uma despensa ultramarina de Portugal, onde homens vinham ganhar dinheiro longe da lei, da cruz e das mulheres: primeiro, extraindo pau-brasil, (árvore cuja seiva vermelha era usada para tingir tecidos e que emprestou o nome ao nosso país), depois plantando cana de açúcar, traficando escravos, garimpando ouro e pedras preciosas.

Muito da inconsequência e do imediatismo daqueles exploradores continua vivo entre nós.

Seria eu o único brasileiro livre desses traços? Evidente que não. Ano passado, comprei uma geladeira. Na loja, disseram que, além de entregar, poderiam instalá-la, por R$ 450. Achei caro, disse que eu mesmo a instalaria. Quando ela chegou, no entanto, percebi que não daria conta sequer de tirá-la da caixa, imagina só de fazer as conexões hidráulicas necessárias. O entregador deu uma tussidinha e propôs: “Amigão, se quiser, eu instalo agora, por R$ 100. Mas, assim… A loja não pode ficar sabendo…”. “Claro”, assenti. O tio Arthur ficaria orgulhoso, se soubesse.

Outro dia, olhando essa geladeira, compreendi que ela é um pouco a imagem do Brasil atual: moderna, potente, vistosa, na frente, mas funcionando somente graças às velhas conexões que insistimos em perpetuar, lá atrás. Pode ganhar Dilma ou Aécio, dia 26: ainda vai levar muito tempo para resolvermos os problemas que estão nas raízes do pau-brasil.

Antonio Prata, escritor, também é colunista da Folha de S.Paulo. Envie comentários para[email protected]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Irene Atienza e Douglas Lora: Bolero e Samba marcam presença em São Paulo 21 de maio de 2019
    A espanhola Irene Atienza e o brasileiro Douglas Lora estreiam a programação musical da Mercearia do Conde, dia 23 de maio The post Irene Atienza e Douglas Lora: Bolero e Samba marcam presença em São Paulo appeared first on GGN.
  • Bolsonaro homenageia desembargador que impediu liberdade de Lula 21 de maio de 2019
    Thompson Flores foi agraciado com a Ordem do Mérito Naval, concedida a quem presta serviços memoráveis à Marinha, diz jornal The post Bolsonaro homenageia desembargador que impediu liberdade de Lula appeared first on GGN.
  • Chico Buarque recebe Prêmio Camões 2019 pelo conjunto da obra 21 de maio de 2019
    Escritor e músico é o 13º brasileiro a receber o reconhecimento, último foi Raduan Nassar, em 2013; Entre nomes que já receberam prêmio estão Jorge Amado e José Saramago The post Chico Buarque recebe Prêmio Camões 2019 pelo conjunto da obra appeared first on GGN.
  • 14 governadores assinam carta contra decreto de armas de Bolsonaro 21 de maio de 2019
    Os governadores entendem que "as medidas previstas pelo decreto não contribuirão para tornar nossos estados mais seguros" The post 14 governadores assinam carta contra decreto de armas de Bolsonaro appeared first on GGN.
  • “Estamos abertos a propostas”, diz Mourão sobre megaprojeto da China 21 de maio de 2019
    "O Brasil não pode ser só uma loja que a China vai e compra itens. Tem que ser mais do que isso. As coisas que vem do Brasil têm que ter o mesmo valor que as que vem da China", diz vice-presidente The post “Estamos abertos a propostas”, diz Mourão sobre megaprojeto da China appeared […]
  • A marcha da loucura, por Juan Arias 21 de maio de 2019
    A manifestação prevista para domingo não será mais uma. Deixará marcas profundas, triunfando ou fracassando. O Brasil ficará perigosamente dividido The post A marcha da loucura, por Juan Arias appeared first on GGN.
  • Revivendo Johnny Alf, por Aquiles Rique Reis 21 de maio de 2019
    Alf, seu piano e sua voz parecem flutuar em estado de graça The post Revivendo Johnny Alf, por Aquiles Rique Reis appeared first on GGN.
  • Rejeição a Bolsonaro dispara e já supera aprovação 21 de maio de 2019
    A desaprovação do governo Bolsonaro superou a aprovação pela primeira vez: 36,2% da população considera a gestão “ruim ou péssima”, superando os 28,6% que avaliam como “ótima ou boa”. Os números são da pesquisa da consultoria
  • Festival Lula Livre dia 2 de junho em São Paulo 21 de maio de 2019
    A terceira edição do Festival Lula Livre será no dia 2 de junho, no Vale do Anhangabaú em São Paulo. Nomes como Arnaldo Antunes, Chico César, Otto, Felipe Catto, Francisco El Hombre, Mombojó, Slam das Mina, Aláfia, Fernanda Takai, Dead Fish e Márcia Castro já estão confirmados. LEIA TAMBÉM: Lula, apaixonado, já usa aliança
  • Eleitor camarão é 55% do eleitorado brasileiro, diz Paraná Pesquisas 21 de maio de 2019
    A Paraná Pesquisas afirma que 25% do eleitorado brasileiro se diz “bolsonarista” e que 20% se declarada “petista”. Dentro da margem de erro, as duas
  • Ex-prefeito de Londres diz que Lula foi o melhor líder do Brasil 21 de maio de 2019
    O ex-prefeito de Londres Ken Livingstone divulgou um vídeo nesta terça-feira (21) no qual fala sobre o papel de liderança mundial do ex-presidente Lula (PT) e analisa que o real motivo de sua prisão política é o medo de que o povo volte ao poder: “Obama chamou Lula de o político mais popular do planeta. […]